Amaranto

O Amaranto (Amaranthus cruentus L.) é um pseudocereal da família das amarantáceas onde existe mais de 60 espécies. (…)

Categoria: Tag:

Descrição

O Amaranto (Amaranthus cruentus L.) é um pseudocereal da família das amarantáceas onde existe mais de 60 espécies. É originária da América Central, sendo de grande importância para uma dieta equilibrada e saudável. Excelente alternativa para celíacos, vegetarianos e pessoas que desejam acrescentar mais saúde ao seu prato de maneira simples e prática.

Apresenta alto valor nutricional: é rico em proteínas e aminoácidos essenciais (como a lisina), vitaminas do complexo B, vitamina C e E, cálcio, fósforo, ferro, zinco e fibras.

Os grãos de Amaranto Sabor Verde são selecionados com o mais alto padrão de qualidade, 100% natural e sem adição de aditivos, preservando seus nutrientes essenciais.
Utilizações:

COMO PIPOCA: Basta colocar o grão de amaranto em uma panela e estourar como o milho de pipoca convencional.

FARINHA: em substituição parcial à de trigo (dá para trocar de 10% a 30%), em qualquer receita de bolos, tortas, cookies, panquecas e ainda engrossar caldos, sopas e feijão.

GRÃO: Você pode cozinhá-lo puro em água ou junto com arroz e ainda consumi-lo como salada fria.

FLOCOS: Pode ser polvilhado em cima das frutas, utilizado em vitaminas, shakes, sucos e em farofas. Caso queira ter mais saciedade, consuma os flocos 1 hora antes do almoço.

VARIEDADES: Farinha, grão e flocos.

FONTE: Linea Verde Alimentos LTDA.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
He, H. P.& Corke, H. Oil and Squalene in Amaranthus Grain and Leaf. J. Agric. Food Chem., v. 51, n. 27, p. 7913-7920, 2003.

Coleho, K. D. Desenvolvimento e avaliação da aceitação de cereais matinais e barras de cereais a base de amaranto (Amaranthus Cruentus L.). Dissertação de mestrado USP – Faculdade de Ciências farmacêuticas de São Paulo, 2006.

Ferreira, T. A. P. C. et al. Características nutricionais e funcionais do Amaranto (Amaranthus spp.). Nutrire: rev. Soc. Bras. Alim. Nutr.= J. Brazilian Soc. Food Nutr., São Paulo, SP, v. 32, n. 2, p. 91-116, ago. 2007.

Menu